2 de dezembro de 2010

E não sinto tanta falta












Eu rabisco o infinito no qual eu acredito,
e não sinto tanta falta,
Eu fecho meus olhos e repouso meu coração cansado,
viro, reviro, procuro algo qualquer, em qualquer lugar
e não sinto tanta falta,
Me escondo e apareço quando necessário
desvio a memória, escrevo uma história
e não sinto tanta falta,
Entro na dança, componho uma música,
não sei toca-lá, mas fingo que aprendi
e não sinto tanta falta,
Faço uma lista, folheio a revista,
acho tudo chato, volto aos planos,
e não sinto tanta falta.


Joice Inácio, 12 de Setembro de 2010. 21h16

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe algumas palavras aqui: