25 de outubro de 2011

entre tantas vozes,


o passado agora se faz tão silencioso quanto o futuro,
e o que resta é apenas um claro mistério mudo.

Joice Inácio, 25 de Outubro de 2011.

19 de outubro de 2011

não há


É quando a dor exala no peito, corrompendo em silêncio tristes pedaços de uma solidão reprimida, que se desfaz em segundos consequentes de lágimas que saltam dos olhos e encharcam a alma, enquanto a vós se cala como quem quer dizer tudo mas não compreende nada. E são nessas tardes frias de outubro que o calor não se faz mais presente e o que resta é somente um sopro angustiante de lamento sem alento, sem proteção, como braços que não abraçam, como lábios que não se tocam, como delírios e desejos alucinados, mascarados de falsas mentiras e doces recordações, onde não há mais ar, também não há mais amor.

Joice Inácio, 17 de Outubro de 2011.

12 de outubro de 2011

Querida percepção


Querida dor que hoje se encontra cravada em meio peito, permita-me prosseguir além do eterno, pelo caminho das lágrimas que foram deixadas pra trás, enquanto a chuva se misturava com as gotas quentes que vazavam de mim, de dentro para fora, de fora para dentro, na triste e agonizante procura de alento, usando sinônimos substituíveis enquanto buscava o significado no trágico trajeto de uma jornada infeliz. 
Queridas palavras confusas, ensina-me a respeito de percepção, para que eu possa selecionar o que me resta, organizar minhas saudades e interpretar tudo que o meu coração transmite nesses caracteres que ei de decodificar um dia.

Joice Inácio, 12 de Outubro de 2011.

7 de outubro de 2011

Noite


Não é tão simples chorar
exige sim um pouco de prática,
não é apenas vazar pelos olhos
é mais fundo, bem mais profundo
é transbordar pelo coração.
Por amor, por saudade, por dor...
a dor que abrange todos os sentimentos,
a dor que acompanha todas as lembranças
sejam elas vivenciadas ou sonhadas.
Também já tive muitas dores inconsoláveis de saudade
das lembranças que eu esqueci e que ás vezes ainda lembro.
Então as lágrimas deixam de habitar meu coração
para invadirem meus olhos e serem expulsas
numa piscada no ritmo da pulsação,
até calar-se, tão silenciosa quanto essa noite.

Joice Inácio, 08 de Abril de 2011.

2 de outubro de 2011

o tempo, as escolhas, os caminhos...


E como uma viagem, eu fiz as minhas malas,
gostei tanto do lugar que desejei ficar lá para sempre,
mas com o passar dos anos o sempre foi ficando diferente.
Senti saudades da vida que eu levava antes,
dos amigos que ficaram distantes,
dos sonhos que eu precisaria abandonar
até finalmente perceber que ali não era o meu lugar.
Fiz as malas novamente, desta vez com mais motivos,
um adeus para o amor e um olá para os amigos.
Demorei pra perceber que falsas promessas não podem ser cumpridas,
voltei a sonhar como antes e dar mais valor a minha vida.
Porque sim, ela é só uma, e só minha!

Joice Inácio, 02 de Outubro de 2011.

1 de outubro de 2011

sei.


Talvez já não baste apenas escrever palavras puras,
sem pureza descrita, e descrever sentimentos indestrutíveis,
sem destruir falsas verdades, com mentiras alucinadas e sem lógicas,
lógico que não, ainda não, pois esta cedo, sedento de loucuras.
Desejo que a sua utopia se encontre com minha,
vamos devanear juntos, vamos viver um pouco mais de fantasias.
Assim poderei dizer verdades sem mascaras, sem magoas,
e enquanto você faz um breve esforço para não mentir,
eu sussurro ou seu ouvido, eu sei querido, eu sei.
Talvez você já não saiba o que eu ainda também não sei,
mas desvendo em silencio o que os seus olhos querem me dizer.

Joice Inácio, 01 de Outubro de 2011.